A restless mind

A Dissonância Cognitiva cria-nos uma inércia de Acção que nos inibe de mudar!

Quanto maior é a magnitude da dissonância, maior a intensidade da acção necessária para a reduzir.

Sendo a dissonância entre o elemento cognitivo do Eu e o elemento cognitivo do Eu comportamental em sociedade.

O modo de a diminuir é alterar a relação entre os seus componentes, ou seja, tornar os elementos consonantes. Porém, mudar a atitude em relação ao Eu em sociedade, constitui-se por vezes difícil ou impossível, já que a sociedade na sua maioria sustenta-se sobre standards de sucesso, fundamentados no sonambulismo.

O que  nos resta? Mudar? Alterar o comportamento? Adormecer? Acordar? Agir?

É como viver, nascemos, vemos os outros a viverem, pomo-nos a viver também, a imitá-los, sem sabermos porquê nem para quê. Fernando Pessoa

Viver adormecido é possível (talvez até necessário) e muitas vezes a felicidade aparentemente grandiosa, instiga os outros a tentar adormecer e deixarem-se ir, mas existe algo de terrivelmente perigoso em acordar, vives numa insónia permanente e constante, sendo porventura um processo revestido de irreversibilidade.

Irrita-me a felicidade de todos estes homens que não sabem que são infelizes.[…] Por isto, contudo, amo-os a todos. Meus queridos vegetais! Fernando Pessoa

Que propósito existe na crença de um sucesso intangível, sem valor, em nome de que, de quem? Para cumprir os standards definidos onde e por quem? Que medidas de sucesso são essas, não as percebo, não as incorporo, não as vivo!

Mas porque querem que vá por aí? Será o meu sucesso, o insucesso do vosso sucesso?

Vem por aqui — dizem-me alguns com os olhos doces… José Régio

Parabéns pelo vosso sucesso, passam todos com distinção, e por conseguinte o mundo esta hoje pior do que foi, mas porventura melhor do que será.

 

A falta de tempo é hoje usada como medalha de mérito, mas de um mundo fictício que é vivido, onde não importa quem és ou o que vives, importa simplesmente o que pensam ou dizem de ti.

Na vida de hoje, o mundo só pertence aos estúpidos, aos insensíveis e aos agitados. O direito a viver e a triunfar conquista-se hoje quase pelos mesmos processos por que se conquista o internamento num manicómio: a incapacidade de pensar, a amoralidade e a hiperexcitação. Fernando Pessoa

Algo que sei do Branding, é que uma marca não é o que diz que é, mas o que dizem que é!

A sociedade vive e interiorizou esta premissa, mas como as marcas, cedo ou tarde a verdade revela-se. Seja essa revelação interna, externa ou ambas. Mentir a nós próprios, faz parte do processo, mas o que seria se todos estivéssemos acordados?

Em que fases estas,perguntam-me? Sei lá, a vida não é um processo standardizado, em que para passar, pela 3ª tens de passar pela 2ª. Estou longe de saber em que fase estou, mas também não importa, porque não faz parte do meu processo introspectivo colocar-me numa fase.

Não divido a minha vida em fases, simplesmente vivo em viagem, em que o destino é global e transversal a todos. Esse destino comum deveria ser o nosso maior driver, para criar diferença positiva e relevante enquanto estamos.

Que seria dos acordados, se não existisse sonâmbulos? Inspirar, mudar o mundo, mudar o mundo ao nosso lado, acreditar que podes, acreditar que quando acabas esta passagem deixas a tua marca, deixas algo maior do que a tua passagem e deixas o espaço melhor para os outros, para os outros que vêem a seguir.

Não sei por onde vou, Não sei para onde vou, Sei que não vou por aí! José Regio

Quero ser mais, que mais um; preciso de o ser, se não o for, quero adormecer…

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s